segunda-feira, 28 de maio de 2012

"Me encontro tão ferida..."


Confusa, com medo, sentindo uma pá de coisinhas ruins.
Medo, acho que isso é o que mais predomina.
Medo de não conseguir ser forte o suficiente;
Medo de não conseguir manter a minha decisão, mesmo sem ter tomado nenhuma decisão concreta;
Medo de uma porção de coisa que passa na minha cabeça, mas acho que o meu maior medo é de não conseguir esquece-lo por completo acabar me machucando mais. Porque eu não sei que alternativa dói mais, se é deixar pra lá ou continuar levando adiante uma coisa que eu sei que no fundo, bem la no fundo não vai dar certo.
Medo de tantas outras coisas das quais não consigo expressar.
Mas apesar de tudo, ainda olho o meu celular de 5 em 5 minutos e cada vez uma decepção ainda maior, porque parece que o que eu mais quero ver é uma coisa que vai ficando cada vez mais impossivel de se conseguir.
Porque apesar de todo o medo, ainda resta dentro de mim, uma pontinha de esperança...


"Mas já não sei de que forma 
mesmo você foi embora..."

Um comentário:

Priscilla Marx disse...

Ando assim... assim.